quinta-feira, 30 de março de 2017

O semiárido pela cultura com doces iglus


Escrevi,  Marcelo Damasceno. JORNALISTA de PETROLINA PE.


 Os anos 1980 a 1990 e a vida provinciana  já esculpindo o ponto futuro dessa Constantinopla derradeira em solo que tornou a vida bipolar. A exposição rica do milagre fruticultor abre a devastação apocalíptica no sertão esturricado.

 Era a fruticultura tropical e irrigada a beneficiar Petrolina PE e Juazeiro da Bahia. Não havia erro. Entre essa terra capitalista e carteira com seu ciclo industrial esvaindo-se em tortura econômica. No final de expediente comerciário e industriário, o BECO DA CULTURA a produzir sua poesia e namoro com recitais de casamento. Resplandecia o bárbaro tira-gosto da IGLU marca registrada de uma boemia cervejeira. Seu Edgar empreendia esse histórico negócio. Filosófica conduta do veterano do sorvete em terra quente. Repetindo exaustivamente um texto profético do jurista Ruy Barboza. "Haveria o tempo de se ter vergonha de ser honesto", repetia aos fregueses malandros e despolitizados.

 Dessa nostalgia etílica o reinado da avenida Guararapes incluía o BECO com a poderosa literatura de Manuca Almeida e Miroh. Também flutuavam dissonantes, os poetas da irresponsabilidade legal, Lênio Ferraz e Carlos Laerte. O GUTERIMA a montar sua paixão por Cristo naquele latifúndio da IGLU e seu balcão a suportar toda conta e conversa fiada.

 Estava aberta a larga porta de Petrolina em sua insone condição. Dessa boemia incansável e sua combustão para a madrugada de estrelas com inclusão de um imenso pacote do final de semana merecido. Petrolina grandiosa das exportações recolhia sua poesia e sua música em uma solidária mesa de bar entre ricos e pobres. Essa condição a soletrar Ruy Barboza e sorver o namoro bom que incluía a genealogia que formam trezentos mil petrolinense s hoje. Sem rever "as nulidades e injustiças" preconizadas no Beco da IGLU e da CULTURA.

Fotos - NET IMAGENS

Marcelo Damasceno Barbosa e Carlos Laerte

Marcelo Damasceno TEXTO DE #marcelodamascenoemdia

quarta-feira, 29 de março de 2017

Petrolina em alerta geral com a onda de crimes


Por Marcelo Damasceno
      Repórter de Petrolina PE


 A antiga caixa d'água por trás da agência do Banco Santander, no centro de PETROLINA, Oeste de Pernambuco, virou uma central do "crack" concentrando consumidores e traficantes em pequena escala. Isso no prolongamento da avenida Souza Filho. Também é preocupante a demanda de drogados e garotas de programa entre a Praça do artesanato até as ruas padre Fraga e Travessa Abílio Dias.
Fácil constatar isso a partir do meio dia e se prolongando pelo dia e começo da noite. Diariamente, nunca o noticiário policial esteve tão abarrotado de ocorrências policiais.

 Desde assaltos à mão armada a qualquer hora nos bairros de classe média baixa. Alvo principal de assaltantes interessados em aparelhos celulares e pequenos mercadinho periféricos. E a triste constatação de um número reduzido de viaturas do QUINTO BPM. As informações anônimas que nos chegam asseguram que a unidade desta Polícia militar disponibiliza de cota baixíssima de combustível. E a onda de crime se espalha desde os bairros da Areia Branca e José e Maria até o setor Oeste que contempla Cohab Massangano e adjacências. Os bandidos agem 24 horas aterrorizando a população também no centro de Petrolina.

 O Centro de Petrolina a partir das 20 horas também fica totalmente esvaziado e inseguro com iluminação sofrível.  O contingente também já começa a ficar comprometido. Não chegam a 600 policiais hoje na ativa em relação a uma cidade com cerca de 320 mil habitantes. Mantida hoje pelo agronegócio, Petrolina exibe sua face bandida com um seu presídio principal (Penitenciária Edvaldo Gomes) superlotado e surpreendida a cada semana com o assassinato de presos em regime semi-aberto. E os sucessivos assaltos testemunhados e até filmados pelo olhar atento de "lentes ocultas" do comércio e celulares mais corajosos. O comando da Polícia em PETROLINA recentemente reformulado também torna-se refém dessa rota do crime e da impotência do governo Paulo Câmara(PSB). Falta um reordenamento que exige política.

video


FOTOS.
Veículos da PM DE
PERNAMBUCO
Vídeo de assalto em comércio de Petrolina

terça-feira, 28 de março de 2017

Um rio derramado de lágrimas após a eleição


Escrevi, Marcelo Damasceno.


 Começou nova etapa das nossas vidas com nossos prefeitos e vereadores eleitos deste Vale do São Francisco. Essas 56 cidades do entorno sertanejo, sua economia e os interesses públicos da saúde e na educação, o debate capitalista e perverso do transporte público, as demandas sociais que assolam simultâneamente à ignorância da população são temas solenemente escondidos.

 Um teor de festa e pasteurização de péssimo gosto, ilude os incautos e leva na conversa cínica e carregada de engodo os mais idiotas e até os mais espertos dos eleitores. São os próximos quatro anos que irão enriquecer feudos e impérios de alguns a empobrecer e esvaziar os direitos e necessidades de outros.


 Os sertões de Euclides da Cunha vão permanecer na miséria profetizada pelos mocambos de Antônio Conselheiro em dadas circunstâncias. O eleitor que vai vender o voto por "uma onça' de cinquenta contos vai amargar na ambulância pintada de algum político "cara de pau" e a gritaria por emprego ou cargo comissionado deverá ser o grito de festejos.
Às responsabilidades ou não de um quadriênio vindouro em  nossas vidas ou mais descolorida ou entre um preto e branco sem grana e cara de tacho.



 A região franciscana tem imensa oportunidade de discutir a versão ambientalista dessa Rio São Francisco que garante exportação de frutas e louros da balança comercial. Um mérito da mesma irrigação com sua água sem tratamento a matar a espécie humana entre nossos colonos. Os órgãos federais fincados a quase meio século entre nossa caatinga e Beira de Rio, como, DNOCS, SUDENE, CHESF, EMBRAPA E CODEVASF e as respectivas respostas de alguma prosperidade, loteamento de cargos e publicidade privada a promover o culto à personalidade política. E um sertão ainda em sua complexidade movido a bolsa família.

 Os índices de desenvolvimento humano São lembrados agora como vértice eleitoreira e não há na sociedade alguém capaz de desenhar o debate da desigualdade entre universitários correndo atrás do FIES e certos setores políticos atrás da máquina de fazer dinheiro fácil sem eleição direta.
Essa realidade abissal da urna tem uma realidade triste para os mesmos sertanejos de sempre e um prêmio lotérico de prefeituras e câmaras municipais e péssimos seres humanos que não sabem lidar com a solidariedade e parcimônia ao bolso público.

Quatro anos virão com raras e gratas surpresas mas também com o folhetim manjado de cabra sem vergonha na cara e cheio de más intenções. A realidade eleitoral que se apresenta nos quatro cantos do sertão se alastra em passeatas e redes sociais e perfumam guias eleitorais para os resultados bêbados da terrível ficha suja.
Aguardem certas cidades e comprem seus lenços pra chorar o Rio São Francisco derramado.

#marcelodamascenoemdia

Foto.
Net Divulgação
Rio São Francisco
Ponte Pres. Dutra
PETROLINA PE

quarta-feira, 22 de março de 2017

Avanços da odontologia brasileira na agenda de Petrolina


Por Marcelo Damasceno.


Presidente do CRO e ABO em Visita ao prefeito Miguel Coelho, Juntamente com a comissão do XVIII congresso internacional de odontologia do Vale, Presidente Catarina Brasil, o professor Alfredo Gaspar-Presidente do CRO-Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco e César Durando-Presidente da ABO-Associação Brasileira de Odontologia-Regional Petrolina.



  O presidente do CRO veio em especial, fazer uma visita de cortesia e a comissão do XVIII congresso por outro lado, fez pedido de apoio para o evento que acontecerá de 26 a 29 de Julho próximo e convidar o prefeito para presidente de honra.



Blog Marcelo Damasceno
        Repórter Petrolina PE

Fotos -
Cirurgiões dentistas, dirigentes da CRO e ABO em
visita ao prefeito de Petrolina,
Miguel Coelho.

terça-feira, 21 de março de 2017

Aero Cruz destaca o Rio São Francisco na sua ação cidadã


Por marcelo Damasceno.                


Em primeiro mandato,  Aero Cruz (PSB) como legislador revelação e fazendo diferente, exibe as credenciais de ser ribeirinho e nascido em Petrolina, extremo Oeste de Pernambuco e respirar os ares do Rio São Francisco desde sua infância volta sua atividade parlamentar para importante fato ambiental e do interesse desta cidade. A prosperidade econômica e os índices sociais de conotação positiva deste vale sanfranciscano tem forte contexto de intoxicação do Rio que irriga e frutifica o agronegócio. O lançamento desordenado e em natura de dejetos e agrotóxicos desse leito que banha 506 cidades gerou históricos desafios para a biodiversidade e preservação da mata ciliar além de devastaçoes do bioma caatinga sem a consciência do desenvolvimento sustentável. Com flagrante avanço e triste visibilidade das "baronesas" junto à orla urbana de Petrolina sob o olhar tolerante de governos anteriores.


  AERO CRUZ, por seu trânsito político e proximidade junto ao novo prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, está empenhado nessa intervenção pública de reestruturação ambiental e restauração biológica das margens onde situa Petrolina seus ribeiros, pescadores, embarcações e habitués da cidade, ambiente que reúne a vida inteira do petrolinense Aero. A prefeitura de Petrolina, resolveu priorizar ações que são do do inio midiático e da realidade agora testemunhada por ambientalistas e pela imprensa regional.


  Miguel Coelho deu ouvidos à opinião pública e compreendeu as manifestações de todos os movimentos sociais em Petrolina. Das conversas repetidas e interessadas do vereador da sua base e confiança, AERO CRUZ, que dá resposta imediata a uma questão de ordem ambiental, social e política também. Uma obrigação pública que só agora tem ressonância ecológica e contribuição de um petrolinense. Aero Cruz,  com seus pés no Velho Chico e um olhar de todos nós.



FOTOS.
Vereador petrolinense
Aero Cruz. Com o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho.

domingo, 19 de março de 2017

Para que serve os selos de inspeção de alimentos?


Por Joaquim de Castro


Agora com a descoberta da pilantragem de grandes Frigoríficos pelo Brasil afora, comercializando produtos vencidos e deteriorados, ou podres mesmo, constata-se apenas mais um caso de descaso, de falta de ética, imoralidade e falta de respeito para com a sociedade.
O noticiário estar repleto de casos parecidos, anunciados diariamente em todos os segmentos. São denuncias de combustíveis adulterados; edifícios construídos com material sem qualidade que, são entregues e logo depois desabam, matando pessoas; empresas que vendem produtos fara da especificação, fraude no peso e nas medidas; médicos forçando cirurgias sem necessidade e usando próteses falsificadas; laboratórios farmacêuticos produzindo remédios sem a composição química correta, ou mesmo falsos, com vitimas fatais pelo Brasil inteiro, onde as pessoas morrem e ninguém sabe o porquê; obras públicas que dissolvem com a primeiras chuvas ou qualquer vento;  são políticos que se elegem dizendo vão representar os interesses do povo e uma vez eleitos, passam a defender seus próprios interesses, enfim, estamos num país que perdeu a vergonha, onde falar em honra, honestidade, verdade, sinceridade, lealdade, respeito, soa fora de contexto, muitos e muitos jovens, ouvem essas palavras, uns não sabem nem o que significam, outros desdenham e a culpa é da geração anterior, pois, os valores transcendentais não podem ser incluídos no rol de coisas que mudam com o tempo, não podem ser afetados pelos costumes ditos modernos, como bem diz o termo, são transcendentais.
Para tudo em nosso Brasil, existe um órgão fiscalizador, no caso especifico de alimentos são os selos. SIF-federal, SIE- estadual e o SIM- municipal. De que adianta esses selos, se não há fiscalização, ou se há, são contaminadas pela corrupção? É simples, se uma empresa comete fraudes dessa natureza continuadamente, significa dizer que os selos estão sendo entregues sem a devida inspeção, portanto, a ação policial, deve ser em cima da empresa e também do agente publico que deixou de realizar o seu trabalho com a lisura e a responsabilidade que função requer.
Os casos de desvios de conduta e fraudes aqui mencionados representam uma pequena amostra, de como a nossa sociedade deteriorou-se na educação, nos bons costumes, na questão ética e na estrutura familiar e não adianta esperar que o caminho seja refeito se a Nação não mudar. A coisa é tão séria, que quando alguém e pego praticando um ato de honestidade, vira notícia, tem até os que defendem homenagear a pessoa por ter cumprido com a sua obrigação.
Um país pode ser mais, ou menos corrupto, depende do seu povo, então se é assim, cabe a nós, a Nação Brasileira, encontrar o caminho da reconstrução moral e ética de nosso Brasil. Mas, como dizia o Escritor João Ubaldo Ribeiro, “a matéria prima que o Brasil dispõe para construir o país descente, não é das melhores.” Portanto, a sociedade brasileira precisa se reciclar, rever praticas, atitudes, e principalmente, resgatar os valores transcendentais.

Joaquim de Castro Filho
Cidadão Brasileiro.

Monteiro dá início à campanha presidencial 2018 com Temer e Lula


Por Marcelo Damasceno Repórter


Neste domingo, 19/03/17, a cidade paraibana de Monteiro, recebeu os ex-presidentes, Dilma Roussef e Luís Lula da Silva, para ato de instalação da transposição das águas que nascem no Rio São Francisco. Caravanas de diferentes partes do Brasil, maioritariamente de cidades nordestinas. Incluindo simpatizantes e militância do Partido dos Trabalhadores bem como de outras de esquerda como o PC do B.
De Petrolina, desde este último final de semana, um grupo de militantes ligados à esquerda, seguiu viagem e pôde registrar na imprensa alternativa e em blogs como o de Marcelo Damasceno Barbosa e redes sociais, além de jornais e rádios. Sob a indiferença da grande imprensa que tem colaborado mais intensamente com o governo Michel Temer, em caráter "tampão". Uma coalizão produzida pelo congresso em Brasília desde o impeachment em Abril de 2016. Sob esse de luta de classes, onde a classe média foi às ruas "pelo apeamento de Dilma Rousseff" orquestrada pela mídia Globo e similares, um governo claudicante, agora é combatido por um conjunto de forças populares e setores sindicais, expressivos movimentos sociais e a população pobre do Brasil e forte combustão desde esse 15 de Março passado.  Essa semana passada também marcada com o registro histórico da remessas de delações e lista de investigados da procuradoria geral da República para o Supremo Tribunal Federal. Registro também para a prescrição de crimes de corrupção praticados pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) e manobras só ministro-chefe do TSE, Gilmar Mendes em descriminalizar a prática de caixa "dois" com a justificativa de garantir "governabilidade de Temer". Duas semanas atrás também em caráter eleitoral, o presidente Temer, veio à Paraiba, num ato privado a seu grupo político e de ministros para inaugurar o eixo da transposição que contempla a hoje badalada cidade de Monteiro-PB. Em tom de campanha 2018 as classes sociais radicalizam em postagens nas redes virtuais e aplicativos deste domingo, 19. E a largada está dada. Com a esquerda lavando a alma e a direita nas águas da transposição em publicidade com recurso público irrigando a "imprensa amiga".



Leia também.

#marcelodamascenoendia
Blog Marcelo Damasceno
Repórter

FOTOS.
NET Divulgação.
Manifestaçoes políticas na
Monteiro-PB

sábado, 18 de março de 2017

Passagens de ônibus mais caras em Petrolina




Depois de intensas negociações desde o fim de 2016, a Prefeitura de Petrolina aprovou o reajuste para as tarifas do transporte coletivo de passageiros. Neste domingo (19-03-2017), novos valores entram em vigor. De segunda a domingo, a tarifa para quem paga em dinheiro será R$ 3,50. Os usuários do Cartão BIP-Pré-pago permanecem com desconto e o valor é R$ 3,20. Os estudantes continuam tendo direito à meia-passagem, ficando R$ 1,75. As tarifas das linhas complementares (linhas rurais) terão um reajuste de 9,4%. Os créditos que já se encontram no Cartão BIP serão mantidos pelo prazo de 30 dias com o preço antigo.


fonte/Ana Lima/foto
 .

Foto.
BLOG
Francisco Evangelista.

sexta-feira, 17 de março de 2017

EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO SINDSEMP, É DEFLAGRADA GREVE GERAL POR TEMPO INDETERMINADO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE PETROLINA.



Em Assembleia Geral Extraordinária realizada pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina, SINDSEMP, realizada na manhã desta quinta-feira (16), foi deflagrada a Greve por tempo indeterminado, dos servidores municipais de Petrolina. As pautas da assembleia foram A Campanha Salarial 2017 e o Indicativo do Estado de Greve, definido na assembleia do dia 22 de fevereiro, mediante posição do Executivo em relação ao reajuste das categorias não contempladas na proposta apresentada ao sindicato.
O SINDSEMP solicitou que o Executivo evitasse o estado de greve, reavaliando a proposta em que apenas algumas categorias foram contempladas com o reajuste salarial, para que as demais também fossem beneficiadas. O secretariado municipal oficializou ao sindicato, que apenas no segundo semestre poderia dar uma posição diferente da proposta apresentada, o que, em outras palavras, significa que a proposta anterior estaria sendo referendada, e em votação da plenária, com apenas 3 votos contrários a greve, a grande maioria dos servidores presentes, em solidariedade aos colegas não contemplados, deflagraram GREVE GERAL, já que a luta sindical é coletiva.
Acreditando que a proposta pode ser melhorada, o Presidente do SINDSEMP, Walber Lins, ressalta que o sindicato aguarda uma contraproposta do Executivo. “A gente espera que venha uma contraproposta que viabilize todas as categorias, e uma condição melhor ao servidor, dentro da perspectiva que a própria Constituição já prorroga”, conclui.
O início da GREVE GERAL POR TEMPO INDETERMINADO se dará oficialmente na próxima terça-feira (21), pela manhã, quando os servidores se farão presentes na sessão da Câmara Municipal de Petrolina.

Fonte: www.sindsemppetrolina.com.br

quarta-feira, 15 de março de 2017

As ruas de Petrolina na pressão social contra Temer


Escrevi, Marcelo Damasceno,
             Repórter político.


Os movimentos sociais em Petrolina estão "acordando" muito mais pelos abusos de poder e evidências de formação de quadrilha além de um erro atrás do outro dessa gestão Michel Temer que sua unidade política. A esquerda em Petrolina encontra agora fôlego e sobrevida nas ações do PSOL e certa mobilização quase órfã do movimento de trabalhadores em educação. As articulações do PT se resumem ao deputado Odacy Amorim e movimentação tímida em alguns setores da própria legenda. 
Mas dentro da Câmara Municipal a renovação é uma verdade com o vereador e professor Gilmar. As passeatas deste 15 de março em protesto nacional contra as reformas da previdência e do trabalho são um termômetro dessa angustiante experiência de um governo sem popularidade e detestado por considerável fatia da população. O governo Temer protagonista de escândalos ante a demissão de ministros corruptos e uma base parlamentar de histórico duvidoso em reputação em boa parte da bancada.

Petrolina, hoje governada pelo PSB do prefeito Miguel Coelho, e sua opinião pública, caminha inversamente,  a esse governo Temer do PMDB que prestigiou e conta com apoio da família Bezerra Coelho. Tanto que nomeou o deputado Fernando Filho para o ministério das Minas e Energia e conta na base com o tucano e aliado da última hora, deputado Guilherme Coelho(PSDB PE). Este último, está no mandato graças ao milagre do remanejamento parlamentar com o advento de Temer no poder. Adalberto Cavalcante(PTB PE) e Gonzaga Patriota(PSB PE) também permeiam dúvidas quanto a votar com a cabeça no atual governo. Se vão votar pelas reformas sociais e desmantelamento nos direitos,  trabalhistas e previdenciário.


Mas as cobranças são duras quanto ao voto desses deputados da base petrolinense e pernambucana. As reformas são contestadas por absoluta falta de debate com a população e setores produtivos da atividade sócio-econômica. Os servidores públicos da União, Estado e município estão nas praças e auditórios a engrossar as manifestações nacionais e sem cobertura midiática. A má vontade expressa a cobertura tímida e até indiferente das emissoras de televisão e jornalões financiados em publicidade "temerista". Petrolina conta com a imprensa alternativa e redes sociais para respirar esse momento político. O Blog Marcelo Damasceno, repórter também acompanha tudo. As manifestações e concentração em Petrolina e Juazeiro também evidenciam um tempo quente de protestos. Em Petrolina, a mobilização é destacada na Praça do Bambuzinho. Centro da cidade.

Fotos.
Bambuzinho em Petrolina.
Dia de protesto contra as reformas da previdência e trabalho

domingo, 12 de março de 2017

Petrolina e um lado da imprensa contra e a favor?


Escrevi. Marcelo Damasceno 
              É Repórter político.


  Estamos há quase 80 dias do governo Miguel Coelho e com eles as primeiras queixas da oposição quanto ao jeito "comportado" da imprensa local. Mais grave ainda, as acusações de "aparelhamento de quem faz o jornalismo em forma de empregos entre outras vantagens" a quem fala e escreve sobre o "novo inquilino da casa Guararapes". O vereador Paulinho Valgueiros(PMDB) foi um desses questionadores quanto ao silêncio conveniente de rádios e blogs que protagonizam as notícias de uma cidade habitada por 300 mil pessoas e tantas. E olhe que PETROLINA tem eleitorado com lado e com cor. E uma zona urbana marcada por dificuldades e violência, distorções absurdas na oferta de transporte público e desemprego a saltar aos olhos.


  Cidade com o carimbo das retaliações e prêmios aos que são zelosos por seus chefes políticos. Um júri composto de amestrados disposto a condenar sem defesa alguma. Basta um sinal que seja "boca preta" ou "serrote" a desgraça está encaminhada. É o começo da desgraça preconizada. E a imprensa deve ser enquadrada também. Ou contra ou a favor. Não existe imprensa livre. Existe na concepção soberba de quem vive das "bolotas" da política quem deve dar satisfações e parecer "bonzinho e simpático" ao inqulino da vez. A mordaça é imposta de muitos modos. A maldição chega rapidamente a quem for minimamente isento. Ou querer ousar qualquer avaliação desagradável ao interesse capital de governos. E isso é muito lamentável na medida em que a opiniao pública come por "uma mão só".



Fotos.
Vereador Paulinho Valgueiro
Prefeito Miguel Coelho
Maurício Ferferreir
Catedral de Petrolina PE

quarta-feira, 8 de março de 2017

*Para todo dia e noite se lembrar da mulher Internacional. A morte sem piedade de Maria da Penha.


Escrevi, Marcelo Damasceno.

                    
Essa senhora tão jovem, Maria da Penha, moradora da periferia, deve já ter nascido na sentença dessa violência. Nasceu com sua dignidade. Mas o equívoco lhe pregou peças. Lhe deu uma casa. A vida lhe preservou o encanto de ser mulher. E lhe encantou a um possível amor com felicidade. Lhe enfeitou a vida com o homem possível. Lhe reservou um lar, a família. Lhe ofereceu a noite para cantar. Um dia inteiro para trabalhar. Lhe deu uma Polícia para confiar. Lhe estendeu uma sexta-feira, onde fosse possível respirar a vida de Cristo Jesus. Uma mulher assassinada todo dia, morremos nós os homens também, quando matamos para não ter mulher e o mundo ficar só pra homem. E sem graça?

Maria da Penha, corria da própria morte. Os espinhos eram só de Cristo. Foi-lhe oferecida um delegacia para mostrar suas dores de mulher. Lhe deram também uma ambulância do Samu. Por um instante, ela creu na vida. Ela registrou a queixa ao plantão que cercou o seu nome. E registrou seu medo, a ocorrência de uma rodovia inteira. Fugindo da pancadaria. Fugindo de seu algoz. Seu carrasco. Como Jesus, era trocada sua vida curta pelo Barrabas.

E refugiou o que pôde seu medo, que saiu pela noite a lhe engolir a curta respiração em seus poros, às margens de Petrolina sem ouvidos e sem os olhos a lhe oferecer a pauta santa da sexta que lhe  reservou a bárbarie e incontida morte.

Maria da Penha,  morreu na indigência decretada e sonhando ao longo do distante Novo residencial Monsenhor Bernardino. Seu teto e sua manifestação para viver. Sua felicidade onde buscou um lugar para unicamente viver.  Uma Maria da sexta feira da paixão, à procura dos seus sonhos. Sua desejada alegria de viver e tombando,  diante dessa morte.




FOTOS.
Maria da Penha.
Assassinada no Brasil de Petrolina
Numa sexta-feira, 25 de março de 2016.

sábado, 4 de março de 2017

As redes sociais e esse "monstro, a opinião pública"


ESCREVI, Marcelo Damasceno.


O jornalista Elio Gaspari menciona em seu livro, A DITADURA ENCURRALADA, que o ex-presidente da República, Juscelino Kubitscheck durante um almoço com jornalistas em 1975 na diretoria do JORNAL DO BRASIL, no Rio-RJ, chamou a atenção da mesa, quando instado, sobre os resultados da eleição em 1974. Juscelino afirmara que aquele MDB surpreendente das urnas, mesmo com a legislação eleitoral vigente e seu entulho acumulador, estava acordando um "monstro", a opinião pública.

Essa opinião tão pública acordara agira, em plena e ostensiva ditadura militar em meados dos anos 1970 e já no governo Ernesto Geisel. Os sinais do MONSTRO vieram em aviso com as eleições proporcionais de 1974 com surpreendente bancada de senadores do Movimento Democrático Brasileiro - MDB. Em Pernambuco, a população elegera senador,  o advogado Marcos Freire. Sem o ódio sem medo.

Juscelino Kubitschek, morreria um ano depois, 1976 numa estranha "colisão" onde o veículo que o conduzia de São Paulo ao Rio de Janeiro fora colhido por uma "carreta". Foi sepultado sob o canto de PEIXE VIVO,  por uma multidão "monstruosa". Juscelino era mineiro de nascimento e médico de formação. Era também, político por vocação.

Agora, nas últimas horas, o "monstro" opinião pública, se levanta num regime democrático, brandindo por moralização. Isso vale pra todo mundo. Quem roubou, pare de roubar. Quem mentiu, dê uma olhada se tem óleo de peroba em casa.
O roubo e a mentira andam em sincronia na associação à política brasileira. É Muita grana para poucos. Muitos boletos para a maioria. Desvios de recursos diários, em on line.

EM 1974, a resposta era de ordem política e da liberdade de expressão. Agora em 2017, a questão é de ordem moral e da legalidade.


#marcelodamascenoemdia

FOTO.

NET IMAGENS.

LULA E FHC

quarta-feira, 1 de março de 2017

O agrotóxico e o direito de viver sobre uma irrigação econômica


Escrevi, Marcelo Damasceno 
             Repórter de Petrolina PE.



A incidência criminosa de câncer de intestino e pâncreas em Petrolina, PE. Sem entrar no mérito médico ou advocatício, escrevi sobre a única locomotiva real e econômica que move o sistema financeiro e da promoção social desta cidade. Com o esquartejamento do ciclo industrial o agronegócio virou única alternativa de escape. Infelizmente, a autoridade local, a Câmara de vereadores, a bancada parlamentar Federal jamais leu ou ouviu dezenas de artigos e editoriais em radio comunicação deste repórter idiotizado por algumas divindades do sistema sócio-econômico.


 Quanto às denúncias de não tratamento da água para 60 mil pessoas fincadas nesses últimos tempos nos perímetros da fruticultura irrigada. Sempre questionando porque as missões internacionais que vêm periodicamente a Petrolina, ao diagnóstico das câmaras de exportação, não sabem ou ignoram propositamente esse beneficiamento das frutas cujos países de origem, importam essa produção que responde por nossa balança comercial. Do câncer, uma questão de vida, cabe ao polo médico denunciar tal diagnóstico e os meios legais existem. Do envenamento, a intoxicação humana, cabe investigação competente quanto ao agrotóxico comercializado, a origem desses insumos e ao que nos para alimentação em gôndolas de mercados e mesa de feira livre. Quanto à pretensão e êxito político da irrigação, escrevemos superficialmente sobre quem é como isso ocorreu. Ressaltando a iniciativa de Nilo Coelho, um petrolinense e médico que ironicamente subscreveu vários óbitos de crianças sertanejas grifando a causa mortis  destas assim, "morreu de fome". Sensamente. creio que essa incidência de câncer infelizmente, como efeito colateral da fruta irrigada , e aplicaçao irresponsável de agrotóxicos em nossos campos frutíferos, não era a idéia. Mas esse efeito colateral e mortífero deve ser combatido sim. Pela autoridade sanitária, pela Medicina, pelos colonos como agentes dessa rica atividade e pela imprensa. Alguns esforços, ainda que tímidos ou limitados, são observados aqui ou ali. Da comercialização desenfreada e sem fiscalização legal, cada discussão ou amplo debate, serão imprescindíveis nessa direção de proclamar à população que acorde e que defenda nosso hábito alimentar de modo saudável com uva, manga, melancia, melão, acerola,  goiaba, banana, tomate, legumes e verduras em geral,  sem incidência de mortandade no organismo humano. A propósito a CNBB lança nestas cinzas, comovente e oportuna Campanha da Fraternidade pela defesa da vida e dos nossos biomas. Cremos que a caatinga e sua visitante, a irrigação com essa complexidade econômica e da vida estejam na ordem do dia.


Fotos.
Net Divulgação
Parreiras de uva em Petrolina
PE
Senador Nilo Coelho.
Petrolina PE.